Vittacor - Excelência em Cardiologia

Seg - Qui das 7:00 às 18:30 | Sex das 7:00 às 17:30

Responsável Técnico: Rogério Carregoza Dantas - CRM/SC 11273

Exames

Filtrar por Objetivo:

Holter de Eventos (até 30 dias)

Sistema de monitoramento eletrocardiográfico contínuo. Tem por objetivo avaliar arritmias cardíacas e sua relação com possíveis sintomas clínicos, além de ser útil na avaliação do risco de morte súbita na insuficiência cardíaca. É também utilizada nas Síndromes isquêmicas para detecção da chamada isquemia silenciosa, situação essa que abrange circunstancias de isquemia cardíaca sem que haja sintomas correlacionados.



Atualmente o Holter tem se mostrado uma ferramenta muito útil no acompanhamento da Fibrilação Atrial, não apenas para o diagnóstico, mas principalmente para a mensuração do tempo de duração da arritmia e do número de episódios, fatores estes determinantes na tomada de decisão terapêutica.

Tipos de Holter :



- 24 horas – o paciente fica com o monitor durante um dia, de preferencia em atividades cotidianas corriqueiras. Avalia o eletrocardiograma não só na vigília como também durante o sono.



- Eventos – o paciente fica com aparelho durante 7 ou 15 dias, sendo ele mesmo capaz de retirar e recolocar o aparelho para a realização de sua higiene pessoal. Tem como objetivo avaliar sintomas que possam ter relação com eventos arrítmicos. Quando o paciente sente algo ele aciona o botão de sintomas que posteriormente será avaliado pelo examinador.



- Alça – o monitor fica com o paciente de 7 a 30 dias. Nesta modalidade a gravação se dá de maneira contínua durante o período estipulado, sendo o paciente o responsável pela retirada e recolocação do mesmo neste período. Possui uma sensibilidade maior na detecção de arritmias que possuem uma frequência menor de aparecimento e vem se tornando um excelente recurso no acompanhamento da Fibrilação Atrial Paroxística.

Holter 7 dias (Seven)

Sistema de monitoramento eletrocardiográfico contínuo por 7 dias. Possui os mesmos princípios da monitorização de 24 horas, havendo apenas ampliação do tempo de monitorização. O monitor utilizado possui um consumo menor de energia, o que permite que se utilize uma bateria apenas nos sete dias de monitorização. Tem uma grande aplicabilidade na investigação de sintomas que ocorram com uma frequencia semanal e aonde se suspeite que haja arritmias cardíacas como fator desencadeante e na monitorização de



Holter Digital 24h

Sistema de monitoramento eletrocardiográfico contínuo por 24 horas. Tem por objetivo avaliar arritmias cardíacas e sua relação com possíveis sintomas clínicos, além de ser útil na avaliação do risco de morte súbita na insuficiência cardíaca. É também utilizada nas Síndromes isquêmicas para detecção da chamada isquemia silenciosa, situação essa que abrange circunstancias de isquemia cardíaca sem que haja sintomas correlacionados.



Atualmente o Holter tem se mostrado uma ferramenta muito útil no acompanhamento da Fibrilação Atrial, não apenas para o diagnóstico, mas principalmente para a mensuração do tempo de duração da arritmia e do número de episódios, fatores estes determinantes na tomada de decisão terapêutica.


Tipos de Holter :



- 24 horas – o paciente fica com o monitor durante um dia, de preferencia em atividades cotidianas corriqueiras. Avalia o eletrocardiograma não só na vigília como também durante o sono.



- Eventos – o paciente fica com aparelho durante 7 ou 15 dias, sendo ele mesmo capaz de retirar e recolocar o aparelho para a realização de sua higiene pessoal. Tem como objetivo avaliar sintomas que possam ter relação com eventos arrítmicos. Quando o paciente sente algo ele aciona o botão de sintomas que posteriormente será avaliado pelo examinador.



- Alça – o monitor fica com o paciente de 7 a 30 dias. Nesta modalidade a gravação se dá de maneira contínua durante o período estipulado, sendo o paciente o responsável pela retirada e recolocação do mesmo neste período. Possui uma sensibilidade maior na detecção de arritmias que possuem uma frequência menor de aparecimento e vem se tornando um excelente recurso no acompanhamento da Fibrilação Atrial Paroxística.



Eletrocardiograma

O eletrocardiograma (ECG) de repouso recebe várias denominações: ECG basal, ECG de superfície, ECG convencional ou, simplesmente, eletrocardiograma. Trata-se de exame não invasivo, de baixo custo e de realização rápida e fácil. Apesar de inúmeras inovações tecnológicas que vêm sendo incorporadas na prática da medicina cardiovascular, o ECG permanece como o recurso diagnóstico mais amplamente utilizado na avaliação dos distúrbios do ritmo cardíaco.


Esse exame, através do registro da atividade elétrica do coração, pode também prover informações sobre o diagnóstico de problemas estruturais cardíacos, isquemia miocárdica, distúrbios eletrofisiológicos do miocárdio, pericardiopatias, posicionamento do coração, estimulação cardíaca artificial, alterações metabólicas e eletrolíticas sistêmicas, além


de documentação de influências autonômicas e farmacológicas (tóxicas ou terapêuticas).


O traçado eletrocardiográfico tem uma representação gráfica, em que é possível distinguir diferentes configurações morfológicas e do ritmo cardíaco.